Skip navigation

Category Archives: Reforma Agrária

Nascido no “ventre” do município de Bagé, assim como outros movimentos da classe ruralista, o Alerta Verde é retomado este mês no Rio Grande do Sul. Essa ação é um contraponto ao Abril Vermelho do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), que lembra os 19 colonos assassinados no massacre de Eldorado de Carajás, durante operação da polícia militar.
Os produtores rurais estão retomando o Alerta Verde após invasão da fazenda Bela Vista, em Sananduva, norte do Rio Grande do Sul, na manhã de ontem. O objetivo é monitorar estradas e localidades próximas aos assentamentos e acampamentos dos sem-terra para informar às autoridades sobre qualquer deslocamento.
O coordenador da comissão de Assuntos Fundiários da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Paulo Ricardo Dias, recomenda a todos os sindicatos rurais e suas comissões fundiárias, que se mantenham organizados. “Fiquem em vigília, montem postos de observação em pontos estratégicos e passem informações para a comissão da Farsul”, aconselha.
O coordenador pede que os produtores não façam barreiras e nem entrem em confronto com os sem-terra. “Devemos colher informações e não agir como polícia”, observa.
Em entrevista ao Jornal MINUANO, Dias enfatizou que o movimento Alerta Verde foi muito eficiente para a região de Bagé e agora está sendo expandido para o Estado.
A comissão de Assuntos Fundiários da Farsul está em permanente contato com autoridades e ontem se reuniu na Associação e Sindicato Rural de Bagé, para avaliar a invasão e montar estratégia para o movimento Alerta Verde .
De acordo com informações do site da Farsul, a propriedade invadida pertence ao produtor José Machado, 71 anos, tem 332 hectares e destina-se à produção de milho, trigo e soja. 

(Jornal Minuano – http://www.jornalminuano.com.br/)

Coluna do Augusto Nunes

“A reforma agrária vem sendo feita de maneira ordenada, dentro da Constituição, e eu não vejo nenhum índice de aumento de violência. O que ocorre é a mobilização de movimentos sociais, em determinadas circunstâncias de uma maneira mais arrojada. Quando eles violam a lei e a Constituição, os Estados têm que operar”.

Tarso Genro, candidato a governador do Rio Grande do Sul e a Secretário-Geral do MST, prova ambulante de que no Brasil qualquer um pode ser ministro da Justiça, informando que invasão de terras é reforma agrária, que o direito de propriedade agora é inconstitucional, que a destruição de laranjais, laboratórios e máquinas agrícolas é uma forma de manifestação pacífica, que organização criminosa é movimento social, que furto qualificado é sinal de arrojo e que, quando a coisa desanda, o problema é dos governos estaduais.

Fonte: http://migre.me/iThS